Modo de exibição:
Mostrar:

Margem Bruta - (ROL - CPV)
Margem Bruta é a diferença entre a Receita Operacional Líquida e os Custos dos Produtos e Serviços Vendidos.
Resultado Bruto (Margem Bruta - Despesas Gerais e Administrativas)
Resultado bruto é a diferença entre a Margem Bruta e as Despesas Gerais e Administrativas. Ou seja, quanto a operação é positiva ou não.
EBITDA (Earnings Before Taxes, Interests, Depreciation and Amortization)

EBITDA = Earnings Before Interests, Taxes, Depreciation and Amortization ou

LAJIDA = Lucro Antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização. Métrica monetária utilizada como uma simplificação do que seria a geração de Caixa das Operações usuais de uma Companhia, a partir do DRE. A fórmula do EBITDA pode ser:

(+) ROL

(-) CPV

(=) Margem Bruta

(-) DGA (Despesas Gerais e Administrativas)

(+) Depreciação e Amortização - Normalmente a Depreciação e Amortização está inserida no DGA (Despesas Gerais e Administrativas). Somando-se, nós tiramos o efeito da Depreciação da DGA.

(=) EBITDA ou LAJIDA

Disponibilidades
Corresponde ao Caixa e Equivalentes de caixa que incluem os depósitos bancários, saldo no caixa da companhia (para pequenas despesas), outros investimentos de curto prazo de alta liquidez, com vencimentos originais inferiores a 12 meses, e com risco pequeno de mudança de valor.
Contas a receber de Curto Prazo
São contas a receber de faturamento efetuado a clientes. Normalmente, com prazo de vencimento inferior a 12 meses.
Estoques
Representa os valores referentes a produtos acabados, produtos em elaboração, matérias-primas, matérias para consumo, prestação de serviços em andamento . De acordo com a atividade principal da empresa, os estoques podem ser: - em empresas industriais: matérias-primas destinadas a produção, produtos em elaboração, produtos acabados; - em empresas comerciais: mercadorias para revenda. Nas lojas ficam em pequenos lotes, sendo que a maior parte encontra-se em depósitos ou centros de distribuição; - em empresas de serviço: peças de reposição para utilização na prestação de serviços a serem prestados aos clientes.
Impostos a recuperar de curto prazo
São todos os impostos pagos ou retidos que poderão ser utilizados para abater de impostos a pagar de mesma natureza. Os principais são: ICMS (sobre compra de imobilizado), PIS/ Cofins, IPI e IR sobre Aplicações Financeiras. O IR (imposto de renda) pode ser de outras naturezas, como o IR sobre Estimativa, que é recolhido mensalmente ou trimestralmente e poderá ser utilizado para abater ou compensar de IR sobre rendimentos da Pessoa Jurídica: IRPJ. Pode haver também o ISS (Imposto sobre Serviços) para as prestadoras de serviço.
Outros ativos de curto prazo
São todas as contas constantes no Ativo Circulante que não foram destacadas anteriormente nas contas do Ativo Circulante. Exemplos que podem constar nessa conta são: Despesas Antecipadas, Adiantamento a Fornecedores, Adiantamento a Pessoal, dentre outras que normalmente terão valor menos relevante do que as demais contas especificadas no grupo.
Tributos diferidos
Tributos diferidos são os valores reconhecidos no Ativo Não Circulante de impostos cujo evento a que esteja vinculado do DRE serão reconhecidos como definitivos em prazos superiores a 12 meses. Como exemplo, imaginemos a Provisão para Contingências: é uma despesa indedutível reconhecida no DRE do exercício atual. Por tratar-se de uma provisão, ainda não é uma perda definitiva e pode existir a possibilidade de essa provisão ser revertida. No momento em que essa Provisão é constituída, o imposto de renda atrelado a ela será constituído. No momento em que a Provisão se tornar em Despesa definitiva, o Imposto Diferido é revertido dando lugar ao Imposto Corrente, ou seja, o imposto que terá impacto no caixa da Companhia.
Contas a receber de longo prazo
Apesar do nome, Contas a Receber refere-se aos valores a receber de clientes com prazo de vencimento superior a 12 meses.