Eldorado Celulose
- Principais riscos que a própria Companhia enxerga e assume

Principais riscos da Companhia

Os riscos relacionados à Companhia estão relacionados ao fato dela estar em fase pré-operacional. Nada obstante, considerando o estágio avançado de desenvolvimento do projeto de estruturação operacional da empresa (“Projeto”), mensurado pela Companhia atualmente em 68,8%, muitos desses riscos já foram mitigados, de modo que os fatores considerados relevantes atualmente são a inexistência de contratos comerciais e o fato da Companhia ainda estar buscando criar uma base de insumos de madeira 100% (cem por cento) própria.

Os fornecedores consistem em empresas estabelecidas e experientes no mercado, mas existem riscos de logística e performance associados aos serviços prestados.

Ainda, a gestão das aproximadamente 8.000 pessoas que trabalham no site é de responsabilidade dos fornecedores, o que dificulta o controle da Eldorado.

Em relação aos clientes existem os riscos de crédito, de performance e de logística associados, fatores estes que estão fora do controle da Eldorado.

Os principais riscos do setor são a variação do preço da celulose e os macroeconômicos. Ainda, existe o risco de reação das empresas concorrentes à entrada de uma nova empresa no setor e o risco da retirada de produtos substitutos no mercado, como as inovações tecnológicas que dispensem o uso do papel (ex: tablets, e-readers).

Foram identificados os seguintes riscos relacionados à parte de regulação no ambiente florestal:

(i) Imposição de limites ao plantio de eucalipto por parte do Governo;

(ii) Requisitos ambientais mais restritivos colocando riscos ao licenciamento e plantio; e

(iii) Limitação de compra de terras

Além dos riscos já apontados, a Companhia identifica o risco de alteração nas regras de concessão ferroviária, portuária e hidroviária impedindo ou dificultando o transporte de celulose.·.

Riscos relacionados a países estrangeiros onde a Companhia atue

Existem os riscos sistemáticos macroeconômicos e os riscos de implementação da política de protecionismo por parte dos governos dos países em que a Companhia atua. Também deve-se considerar a possibilidade de alteração dos acordos comerciais e tributários em vigor que, atualmente, existentes que beneficiam a Eldorado.