You Inc-Principais Riscos

Os riscos que a própria Companhia enxerga e assume, relacionados as suas atividades

O surto de doenças transmissíveis no Brasil e/ ou no mundo, a exemplo da pandemia  declarada  pela  Organização Mundial de Saúde (OMS) em razão da disseminação do novo coronavírus (COVID -19), provocou e pode  continuar provocando um efeito adverso nas operações da Companhia, inclusive paralisando integralmente ou parcialmente os canais de vendas  da  Companhia e  desenvolvimento  de  empreendimentos imobiliários.  A  extensão  da  pandemia do COVID -19, a percepção de  seus efeitos,  ou a  forma  pela  qual  tal pandemia  impactará os negócios  da Companhia  (quer do ponto de vista micro, quer do ponto de vista macroeconômico) depende de desenvolvimentos futuros,  que são altamente incertos e imprevisíveis, podendo resultar em um efeito adverso relevante nos negócios, condição financeira, resultados das operações e fluxos de caixa da Companhia e, finalmente, na capacidade de  continuar operando  os negócios da Companhia.

Atrasos na conclusão de empreendimentos imobiliários  da  Companhia podem prejudicar  a sua liquidez, reputação, negócios e resultados operacionais, afetando-a adversamente .

Falhas nos processos de incorporação  dos  empreendimentos imobiliários da Companhia podem exigir dispêndios adicionais de capital e resultar em obrigações de indenização para a Companhia .

A perda de membros da alta administração da Companhia e/ ou o insucesso da Companhia de atrair e manter pessoal qualificado em sua alta administração podem ter um efeito adverso nos negócios da Companhia.

O descasamento entre as taxas utilizadas para a indexação das receitas da Companhia e as taxas utilizadas para a indexação de suas despesas poderá afetar adversamente a Companhia.

A Companhia pode não ser bem-sucedida em implementar a sua estratégia de crescimento, o que poderá afetar adversamente seus negócios e sua situação financeira.

A Companhia pode não dispor de seguro com cobertura suficiente para se proteger contra perdas substanciais.

Devido à pandemia do COVID-19, as práticas de trabalho remoto pelos colaboradores da Companhia e realização de estandes virtuais para vendas de unidades dos empreendimentos imobiliários da Companhia aumentaram. Assim, uma falha na segurança cibernética dos sistemas internos da Companhia poderá prejudicar sua reputação e marca e, ainda, afetar substancialmente e de forma adversa o negócio e os resultados das operações da Companhia.

O  valor de mercado dos  terrenos e unidades imobiliárias que a Companhia mantém em  estoque pode se desvalorizar, o que poderá afetá-la  adversamente. Além disso ,  os  custos de manutenção e revenda de unidades imobiliárias podem ser significativos e impactar negativamente o fluxo de caixa e o desempenho da Companhia.

Pelo   fato  de   a  Companhia  reconhecer a receita  de   vendas  proveniente  de  seus  empreendimentos imobiliários   segundo o método contábil da evolução financeira da obra, o ajuste do custo de  um  empreendimento imobiliário poderá reduzir ou eliminar a receita e o lucro anteriormente apurados.

Uma redução da participação societária dos acionistas controladores da Companhia  em  decorrência da  oferta  pública inicial de distribuição de ações ordinárias de emissão da Companhia  poderá ser   interpretada  como uma alteração no controle da Companhia , e consequentemente configurar um evento  de  vencimento  antecipado  de  determinados instrumentos financeiros, o que poderá afetar adversamente a Companhia .

A Companhia está sujeita a compromissos restritivos (covenants) assumidos por meio da escritura de emissão de debêntures  da segunda  emissão  da Companhia e  o  não  cumprimento desses covenants  podem  causar o  vencimento antecipado em cascata de grande parte dos contratos financeiros da Companhia .

As políticas,  os  procedimentos,  o  código de  conduta e  os controles internos  da Companhia,  assim  como as  cláusulas contidas nos contratos celebrados  com  terceiros para  agirem  em nome ou  benefício da  Companhia,  podem não  ser suficientes  p ara  evitar  violações  de  leis de combate à corrupção ou  correlatas,  como  a  Lei de Prevenção  à  Lavagem de Dinheiro, e fraudes e práticas irregulares por  parte dos administradores,  empregados e terceiros que agem em nome ou benefício da Companhia.

A Companhia estará sujeita a riscos  relativos  ao não cumprimento  da Lei  Geral de  Proteção  de  Dados  Pessoais, podendo ser afetada adversamente pela aplicação de sanções, inclusive pecuniárias .

Interrupções ou falhas nos sistemas de informação ou incidentes de segurança cibernética, incluindo ataques à infraestrutura necessária para manter os sistemas de TI da Companha , podem resultar em danos financeiros e à reputação da Companhia.

Decisões desfavoráveis em processos judiciais, administrativos ou arbitrais envolvendo  a  Companhia,  seus administradores e/ ou acionistas controladores podem afetar adversamente a Companhia.

As atividades da Companhia exigem atualmente e poderão exigir no futuro capital adicional, que poderá não estar disponível, estar disponível em termos e condições desfavoráveis  ou  desvantajosas  ou  resultar  na  diluição  da participação dos detentores de ações ordinárias de sua emissão.

Os titulares de ações ordinárias de emissão da Companhia podem não receber dividendos ou juros sobre o capital próprio.

A Companhia pode enfrentar situações de potencial conflito de interesses em negociações com partes relacionadas.

Os interesses dos acionistas controladores da Companhia podem divergir ou ser conflitantes com os interesses dos demais acionistas da Companhia.

A Companhia é uma sociedade de participação (holding) e depende dos resultados das SPE s.

A participação da Companhia em SPEs cria  riscos  adicionais,  incluindo  possíveis  problemas  no  relacionamento financeiro e comercial com seus sócios.

Eventual processo de liquidação da Companhia ou de qualquer das sociedades nas quais detém participação, incluindo as SPEs, pode ser conduzido em bases consolidadas.

Aumentos  no  preço  de  matérias -primas, insumos  e/ ou mão de   obra podem elevar o  custo  dos  empreendimentos imobiliários e reduzir os lucros da Companhia .

A utilização de mão de obra terceirizada pode implicar na assunção de obrigações de natureza trabalhista e previdenciária.

A venda de unidades imobiliárias implica riscos associados à concessão de financiamentos .

A escassez  de recursos disponíveis para financiamentos no mercado e /ou o aumento na  taxa de  juros  pode prejudicar a capacidade ou  disposição  dos  potenciais  adquirentes  de  unidades imobiliárias da  Companhia de  financiar  suas aquisições, o que pode vir a afetar negativamente as vendas da Companhia e a obrigá-la a alterar as condições de financiamento  que   oferece aos seus clientes.

A Companhia está sujeita a riscos associados a distratos pleiteados pelos adquirentes das unidades imobiliárias, o que poderá impactar a receita e geração de caixa da Companhia e prejudicar a rentabilidade e o  nível de lucro dos empreendimentos imobiliários.

A Companhia está exposta a riscos associados à incorporação imobiliária, construção, locação e venda de imóveis.

O  setor imobiliário  no   Brasil  é  altamente competitivo, e a Companhia  pode não conseguir manter a  sua  atual posição no mercado, o que poderá afetar adversamente sua situação financeira, resultados operacionais e fluxo de caixa.

A  Companhia  poderá   enfrentar  dificuldades  em localizar e  adquirir terrenos  ou  em  adquiri-los  em  condições adequadas.

Os empreendimentos imobiliários da Companhia estão concentrados em determinadas áreas geográficas e uma desaceleração econômica  nessas  áreas pode  ter um efeito adverso relevante nos resultados operacionais  e condição financeira da Companhia e das SPEs.

As atividades da Companhia estão sujeitas a extensa regulamentação, o que pode vir a aumentar o custo e limitar o desenvolvimento ou de outra forma afetar adversamente a Companhia.

O aumento de alíquotas de tributos existentes ou a criação de novos tributos incidentes durante o prazo em que os contratos de compra e venda a prazo da Companhia estejam em vigor poderão afetar adversamente a sua situação financeira e os seus resultados operacionais.

Alterações da legislação de uso e ocupação do solo da Cidade de São Paulo e municípios adjacentes, assim como dificuldades nos processos de aprovação de projetos nestes municípios, poderão impactar adversamente os resultados operacionais da Companhia.

As atividades de construção de empreendimentos imobiliários da Companhia podem expor a Companhia a riscos de responsabilização ambiental que podem afetá-la adversamente.

O surto de doenças transmissíveis em todo o mundo, como a atual pandemia  do coronavírus  (COVID-19), pode levar a uma maior volatilidade no mercado de capitais global e resultar em pressão negativa sobre a economia mundial, incluindo a economia brasileira, impactando o mercado de negociação das ações de emissão da Companhia.

Os negócios, os resultados operacionais e o valor de mercado  das  ações  ordinárias de  emissão  da Companhia podem ser afetados negativamente por condições macroeconômicas e condições do mercado imobiliário .

A instabilidade política pode prejudicar os resultados operacionais da Companhia.

Crises econômicas, sanitárias, políticas, ambientais ou qualquer outro tipo de crise que tenha o condão de impactar a economia brasileira  poderá afetar o  poder  aquisitivo  da população,  o  que,  poderá resultar  em  uma diminuição  do número de vendas dos empreendimentos imobiliários da Companhia.

Acontecimentos políticos, econômicos e sociais e a percepção de riscos em outros países, sobretudo em países de economia emergente, podem prejudicar o valor de mercado dos valores mobiliários brasileiros.

Concentração bancária no Brasil pode prejudicara disponibilidade e o custo do crédito.

A volatilidade e a iliquidez inerentes ao mercado de valores mobiliários brasileiro poderão limitar substancialmente a capacidade dos investidores de venderem ações ordinárias de  emissão  da  Companhia  ao  preço  e  no  momento desejados.

Qualquer degradação da classificação de crédito do Brasil (rating) pode afetar negativamente o preço das ações ordinárias de emissão da Companhia.

O Governo Federal exerceu e continua a exercer influência significativa sobre a economia brasileira. Essa influência, bem como a conjuntura econômica e política brasileira, poderá causar um efeito adverso relevante nas atividades e no preço de mercado das ações ordinárias de emissão da Companhia.

A inflação e as medidas do Governo Federal para combatê-la podem contribuir para a incerteza econômica no Brasil, afetando adversamente o resultado operacional da Companhia.